BARBIE!

13Nov10

Barbie Fashionista, que ganhei de presente da Juliana Ribeiro. Perfeita, né? Estou fazendo um trabalho de Ilustração de Moda usando fotografias de bonecas, e, juntando a fome com a vontade de comer, acabei ganhando essa boneca fantástica! Adorei, todo dia acabo brincando um bocadinho… A gente cresce e deixa a infância pra trás, mas uma Barbie é boa em qualquer época!

Aqui, fiz um breve ensaio só para testar as possibilidades que a articulação da boneca permite. O flash ficou meio Terry Richardson, mas gostei…


Este post está em processo desde o dia 06/11, mas correrias de trabalho me impediram de terminá-lo… Agora vai!

………………………………………………

Então, vocês conhecem alguém que troca um almoço em família para receber todos os mimos do mundo, mais uma tarde namorando no quentinho – tudo para comemorar seu aniversário – por uma tarde de chuva na Lagoa dos Ingleses correndo de um desfile para outro e ainda acha bom? Pois é, a doida desta história sou eu…

Sexta-feira passada, em plena cristalização da minha condição balzaca (31!), passei a tarde no Minas Trend Preview – Inverno 2011, conferindo a programação do dia, já que perdi os dias anteriores do evento (#hatemyjobfeelings).

Eu gosto de um monte de coisas no Minas Trend, e desgosto de outro monte, mas acho que no final é sempre divertido – mesmo sendo um pouquinho cansativo (não fico com a menor inveja da SPFW, deve ser ultra desgastante…). Aí vou fazer assim: postando as fotos e fazendo os comentários…

Algumas imagens das passarelas (acima), backstage, lounges, vista… Habitués dizem que a estrutura já foi mais legal, haviam mais estandes, mas eu, que só fui em duas edições, acho muito bom… e, em tempo: o tratamento dado à imprensa é phyno, com uma sala especial, convites para visitar o backstage, seguranças super gentis… esta edição tinha até uma sala só para os blogs – que eu esqueci de fotografar!

…………………….   DESFILES  …………………

O que eu posso dizer é que as fotos estão assim como o desfile, um pouco mais ou menos… Achei as roupas bonitas e bem feitas, mas meio comuns demais… O desfile não tinha nenhuma produção, nem um tchans… e parece que essa era a expectativa, já que a audiência ainda estava em casa escovando a franja, como podemos ver pelas cadeiras vazias…

Já no desfile de Camila Klein, quanta diferença! Desfile de acessórios não é dos mais fáceis, mas este foi super bem resolvido com um styling caprichado, que só valorizou as peças. O jogo de duas cores dos vestidos de neoprene ficou interessante, sendo a moldura perfeita para brincos, colares, anéis e pulseiras. E reparem na terceira foto: é a Fernanda, modelo super simpática que desfilou pra gente no Minas Acqua!

A Chicletes com Guaraná caprichou na produção do desfile, com direito a violinistas no meio da platéia participando da trilha sonora, cabelo refinadíssimo e boa edição dos looks; mas, no fim, as roupas eram assim… sem nenhuma novidade… fora umas coisas misturadas de marrom e preto que eu realmente não entendi. Não vi o desfile da edição passada, mas se a próxima coleção vier com esse nível de detalhes e bacana como o casaco da estilista, promete…

Desfile Patrícia Motta + desfile Alessa. O primeiro eu não consegui quase nenhuma foto boa, mas posso dizer que as peças eram lindas, muito cinza e lilás e uma pegadinha rock (não muito inédita, mas…).

Já o desfile da Alessa era bastante parecido com o da coleção passada: pedras e cristais desdobrados em estampas coloridíssimas como a atração principal, deixando a modelagem em último plano.  Mas o diferencial foi a entrada final das modelos: a trilha sonora do desfile era bem dançante, e elas entraram pulando e dançando como se já fosse altas horas de uma festa imperdível, seguidas por Alessa, que sempre dança e faz um batchy-cabelo na sua entrada. Parece simples, mas a imagem das modelos soltas, sorrindo e rindo de si próprias,  deu vida às roupas e elas pareciam até outra coisa. Fora a maquiagem super glitter dourado, que já adiantava a farra…

Backstage Neon: todo mundo calmíssimo, rindo, brincando, e conversando com a gente… Atmosfera super tranquila, dava para ter ficado lá por horas… E como fiquei bastante tempo mesmo, tive a impressão de já ter visto tudo o que precisava, e pensei que talvez nem compensasse ver o desfile. Mas aí…

Aí o desfile da Neon é tipo ver pra crer: você é conduzido por uma viagem de poses e carões e acessórios bizarros/lindos e só percebe o encanto quando ele se quebra e o desfile termina. Parece exagero, mas é meio assim mesmo: a Neon vende imagem de moda, experiência estética com a roupa  – a roupa é o de menos, a imagem é o demais. Tudo bem que eu fiquei com a impressão que não tinha coleção preview nenhuma lá, e sim uma colagem de coleções antigas já mostradas… (pergunta 1: se a Neon continuar participando do MTP dessa forma, será que o encanto durará muitas edições? pergunta 2: ou o público do MPT é assim tão carente por legitimação que topa assistir desfiles de peças requentadas só para dizer que elas vieram aqui?).

********************************************************

Bom, correndo de um desfile para o outro, passando na sala de imprensa, e correndo atrás de um caderno de tendências que nunca foi dado, sobrou pouco tempo para zanzar pelos corredores e observar as pessoas. Nos estandes das marcas, então, não deu nem para entrar… Mas divido com você leitor os raros flagras da tarde:

Esse moço lindo eu anotei o nome, mas esqueci anotação com alguém…

Dona Lenice Bismarcker, a quem tive a honra de conhecer, sentada na fila A em dois momentos. No segundo, uma moça sentada ao seu lado parece até estar usando uma de suas criações…

 

Fotógrafo – com -jaqueta-da-muóda-mas-que-ficou-super-bacana-nele. Pena que esse eu esqueci mesmo de anotar o nome, mas tem motivo, foi na correria do backstage…

Amiguinhos queridos que passaram a tarde comigo – tá todo mundo meio cansado e sem maquiagem, mas vale a recordação!

Bom, agora só na próxima temporada! Inté!


Estou, neste minuto, sentada na sala de imprensa do Minas Trend Preview – Inverno 2011. Este é um post rapidinho, sem imagem nem logomarca.

Hoje foi possível vir! Ganhei numa carta de alforria e corri para cá dar uma olhada nas tendêêêênchias.

Vou dando notícia pelo Twitter – coluna abaixo, à direita – e no finde faço um post completo sobre meu dia aqui na Lagoa dos Ingleses.

Inté.

Lísia


Pois é, esta história de equilibrar uma carreira em Arte e outra em Moda dá nisso de vez em quando: ou saio para dar aula, ou vou à 7ª edição do Minas Trend Preview, que acontece em Belo Horizonte até dia 06/11, na Lagoa dos Ingleses. Como, segundo a Física, um corpo só pode estar em um lugar do espaço de cada vez, o jeito é cobrir o bafo à distância…

E justamente esta edição está cheia de novidades, como a participação de marcas que desfilam no SPFW e Fashion Rio, mas que toparam dar amostras de suas coleções de inverno aqui em BH, já que o nosso evento é o único do país focado em preview: Cavalera, Fause Haten, Neon, Samuel Cirnansck e UMA devem adiantar em solo mineiro suas propostas que, normalmente, só seriam veiculadas em janeiro /11.

O tema desta vez é MODA CORPO MODA, e Ronaldo Fraga explica que se inspirou no corpo como instrumento da moda e nos 35 anos do Grupo Corpo, conceituada companhia de dança criada em Minas e mundialmente famosa. “Só em Minas podemos realizar um evento de moda tão autoral, mais que negócios e roupas, a moda em Minas vende cultura”.

Segundo o site oficial do Minas Trend Preview, o evento é realizado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), o MTP tradicionalmente reúne os melhores profissionais do mundo da moda em todas as áreas. Na direção artística está o experiente Carlos Pazetto, o make up tem a marca de Ricardo dos Anjos, fotos de passarela são de Márcio Madeira e as de backstage, de Gianfranco Briceno. Além disso, a abertura teve, novamente, a assinatura do sempre surpreendente Ronaldo Fraga. Na produção, há 4 mil pessoas envolvidas direta ou indiretamente. “A estimativa é que diariamente circulem pelo local cerca de 2.500 convidados por dia, vindos do Brasil e países como Portugal, Espanha, França, Polônia, Colômbia, República Dominicana e Japão”, disse Olavo Machado Jr, presidente da Fiemg.

Ainda de acordo com o site, a área que abriga o evento, com 12 mil metros quadrados, tem duas salas onde serão realizados 20 desfiles. O espaço dos camarins foi ampliado e melhorado para dar mais conforto aos profissionais de cada grife. Outra novidade desta edição são os horários dos desfiles – agora quatro por dia e com um intervalo maior entre eles: o primeiro começa às 16h e o último às 20h30.

A criatividade da indústria da moda mineira poderá ser vista na área do salão de negócios, onde 166 expositores apresentarão suas criações para aproximadamente 500 compradores de todo o país. Também são esperados representantes de magazines e compradores de outros países. “O setor de confecções, tradicional segmento gerador de empregos diretos e indiretos, consumidor de produtos e serviços de outras áreas e forte utilizador de insumos nacionais, funciona como uma mola que impulsiona não só este mercado, mas toda a economia mineira”, analisou Machado Jr.

……………………………………………………………………

Já na abertura do evento, realizada dia 02/11 na Serraria Souza Pinto, o evento mostrou a que veio: segundo a reportagem de Luciana Dias, houve desfile, performance e dança para o deleite dos convidados. Projeções com cenas célebres de espetáculos do Grupo Corpo se misturaram às modelos, que desfilaram em uma extensa passarela quadrada – bem minimal, de inspiração japonesa, deixando espaço para a visualidade impactante das projeções.

As modelos usaram segundas-pele nude por baixo das roupas, impressas com os nomes dos diversos espetáculos que marcaram a história do Grupo Corpo. As roupas apresentadas foram curadas por Ronaldo Fraga, com styling de Daniel Ueda – e representam uma larga amostra das marcas que participam da feira de negócios que se inicia hoje no Alphaville.

Para o Inverno 2011 podemos esperar predominância de neutros como cinza, bege e café, a presença clássica do preto e branco, e o impacto dos total looks em vermelho. As lãs e peles aquecem os corpos para o Inverno, mas tecidos leves como tule e organza também aparecem, em camadas texturizadas e tridimensionais. A animal print se consolidou como aposta definitiva da estação, tanto em looks dia quanto noite. O artesanal é celebrado nas rendas negras, que compuseram alguns dos melhores looks do desfile, e nos tricôs texturizados. As sedas e o tafetá aparecem nos looks étnicos, marcados por sobrebosições e clash de estampas.

Vamos conferir as imagens? Como já citado, fotos de passarela são de Márcio Madeira e as de backstage, de Gianfranco Briceno, e foram publicadas originalmente no site oficial do evento.

Bom, o FKM passa os próximos dias de plantão, ligado à rede, em busca das melhores informações sobre esta edição do Minas Trend Preview. Seguindo a ordem natural do caos virtual: hoje devem ser postadas as notícias sobre ontem, o  que nos deixa um delay de dois dias – mas, fazer o quê, é o preço de se acompanhar um evento deste porte da poltrona de casa…

Até agora, apareceram as seguintes notícias:

FESTA DA MODA COM ARRASTA-PÉ (jornal de BH – aff…)

Começou: desfile de abertura da edição pré outono-inverno 2011 do Minas Trend Preview (Lilian Pacce)

Mix Mineiro (Lilian Pacce)

Destaques do dia 1 de Minas Trend Preview: artesanato da Mary Design e o show de Fause Haten (Lilian Pacce)

Em outros sites importantes, de cobertura nacional, nada até agora; na página do principal jornal mineiro (?), nada também… Vamos esperar, né?



Como todo mundo já está sabendo, deu Dilma. Pelos próximos quatro anos ela governará nosso país, que pela primeira vez será comandado por uma mulher.

Pessoalmente, sou contra a forma como o processo eleitoral é conduzido atualmente, e principalmente sou contra o voto obrigatório. Se não fossemos coagidos a comparecer às urnas a cada dois anos, acredito que o debate político aconteceria em um nível muito melhor que o dos sambinhas difamatórios.

Anulei meu voto, para todos os cargos, no primeiro e no segundo turno. Me sinto desrespeitada como cidadã, pessoa, contribuinte. Não acredito que nenhum dos candidatos cuidará, ou cuidaria, das  questões que eu considero importantes.

Mas, a eleição já passou, e a vitória de Dilma é concreta. Só nos resta torcer para que o governo dela seja o melhor possível…

Aproveito a ocasião para resgatar dois vídeos, feitos pelo Portal FFW, ainda na campanha do primeiro turno. Paulo Borges entrevistou os três candidatos à presidência, e perguntou a eles quais os projetos que eles tinham para a moda brasileira. Deixo aqui os links  para a entrevista com a Dilma; vamos dar uma olhada no que ela diz?

Paulo Borges e os presidenciáveis: entrevista com Dilma Rousseff – Parte 1

Paulo Borges e os presidenciáveis: entrevista com Dilma Rousseff – Parte 2

Dilma, que-ri-da, do fundo do meu coração, desejo a você toda a boa sorte; pois da sua boa sorte dependemos todos nós.

Em tempo: quem sabe agora que temos um presidenta trendsetter em potencial, o povo passa a reparar que um pouquinho de moda faz diferença sim? Afinal, ela jamais teria se elegido sem submeter a um bom banho de loja, como ela fez…


Ontem fui assistir “Dzi Coquettes”, documentário de 2009 dirigido por Tatiana Issa e Raphael Alvarez. Havia visto o trailer há algum tempo, e ficado com água na boca – mas sabe como é BH, roça cinematográfica… os filmes por aqui demoram a chegar…

Aí ontem o filme finalmente estreou, e corri para o cinema, esperando saber mais sobre o grupo de bailarinos homens vestidos de mulher que sacudiu o Brasil e a França nos anos 70.

Mas, para minha surpresa, Dzi Croquettes era muito mais que isso: uma família de 13 pessoas, absurdamente criativas e talentosas, que entre 1972 e 1976 produziu um espetáculo de dança misturado com teatro, com deboche, com absurdo, que tinha figurinos fan-tás-ti-cos, e que viveu essa história da forma mais intensa e bonita que é possível imaginar. Além disso, o grupo influenciou toda uma geração de atores, bailarinos e fãs, criando uma onda de comportamento e liberação sexual/intelectual/pessoal que deveria ser um verdadeiro oásis, no  péssimo contexto da nossa ditadura.

Para qualquer profissional da área de Artes Visuais, Teatro e Dança, o filme é, no mínimo, obrigatório. Para profissionais de Moda, é imprescindível. E, para pessoas sensíveis não bitoladas de forma geral, é um filme que conta uma boa história da forma mais delicada possível: a diretora Tatiana Issa é filha de um dos integrantes da equipe técnica do grupo, e quando criança, era o xodó da turma, que sempre a penteava e produzia com muitas plumas e purpurinas. Tatiana organiza a enorme quantidade de entrevistas de acordo com suas lembranças pessoais, dando ao documentário uma aura especial e muito emocionante.

Você não sabe quem foram os Dzi Croquettes? Eu sabia muito pouco, mas o documentário se encarrega de explicar tudo, sem ser didatiquinho. E, se você quiser saber mais, sobre a trupe e sobre o filme, basta clicar aqui, aqui e aqui.

 

A última imagem é dos integrantes do grupo original que ainda estão vivos; oito deles, infelizmente, já foram fazer espetáculos em outra esfera… E para deixar você com mais água na boca ainda, o trailer do filme e alguns vídeos:

Dzi Croquettes se apresentando no Fantástico:

Reportagem do Jornal da Globo sobre os Dzi e o documentário:

E, para quem já viu o filme, uma entrevista com Ciro Barcelos e Bayard Tonelli, feita em 2007, por ocasião da homenagem que a 13ª edição do Festival Mix Brasil fez ao grupo (não caia na tentação de cortar caminho e ver estes vídeos antes, eles acrescentam informações mais legais de saber depois de assistir o documentário):

Quem mora em BH, corre para o Cineclube Savassi, pois está com cara que vai ficar em cartaz por poucos dias…

Em tempo: olha só os filhinhos ilustres do Dzi Croquettes:

Secos & Molhados e As Frenéticas, tá bom pra você?


Agora que a correria já passou, vamos contar detalhe por detalhe…

Eu e a Juliana Ribeiro, parceira já de alguma data, fomos selecionadas para a 10ª edição do concurso Novos Criadores, dentro do evento MINAS ACQUA FASHION, promovido pelo Minas Shopping na semana passada, no Iate Clube, na Pampulha.

Durante quase um mês nos ocupamos com a confecção dos looks, acessórios, e produção dos detalhes: acessórios emprestados, releases, press kit… Muita correria, e um frio na barriga que nunca ia embora, mesmo a gente sabendo que tudo ia dar certo no final (e se não desse? 😀 ).

(fotos: Lísia Maria)

O tema desta edição dos Novos Criadores era a ÁGUA, e podia ser livremente imterpretado. Nós decidimos seguir por uma caminho que fugia da discussão da sustentabilidade (boring!) e da imagem de uma desusa das águas evocada na passarela; e tentamos pensar em ÁGUA COMO FORMA PLÁSTICA. Assim, caímos nos três estados físicos da água, sólido, líquido e gasoso, e todas as possiblidades que eles oferecem como forma, e a coleção ganhou o nome de SÓLIDO, LÍQUIDO, GASOSO: TRÊS ESTADOS DA ROUPA.

A coleção tinha, inicialmente, seis looks, dos quais três foram materializados:  uma para a água em seus estado sólido, outro para a água no estado líquido, e um para o estado gasoso. Já o styling virou mesmo a curva na direção oposta das cores e formas geralmente associados à agua, e procurou cores que fizessem contraste às das roupas; tons flúor de amarelo, laranja e vermelho. Luzes estrategicamente colocadas nas roupas + um óculos de sol esperto davam a idéia final de diversão, associada aos prazeres estéticos proporcionados por uma boa brincadeira com água…

(fotos: Daniel Mooney e Leonardo Azevedo)

Bom, agora que já falamos bastante, já vimos as etapas da execução, as imagens do  backstage, hora de conferir o resultado final!!!! Na ordem em que apareceram na passarela: estados sólido, líquido, e gasoso:

(fotos: Paula Baião, publicadas aqui)

Cá entre nós: ficou lindo, né?

Mas a festa não era só nossa: outros designers mostraram suas criações na mesma noite que a gente, e era uma turma bem grande:

Da esquerda para a direita, em pé: Junia Cruz, Bruna Abreu, Lísia Maria, Juliana Ribeiro, Zilanda Barroso, Domitila de Paulo, Júnio Ramos, Ana Luiza e Raquel Souza. Sentados: Bruno Soarelli e Alzira Calhau. O crédito da foto é de Fábio Ortolan.

Não seria possível mostrar as coleções de todos eles aqui, mas vamos dedicar um pouco do nosso espaço para mostrar  a coleção vencedora:

(clique na imagem e veja as fotos feitas por Paula Baião em tamanho gigante)

A nova criadora da vez é a Juliana Cruz, nossa colega de sala no DEMO , que apresentou uma coleção muito bacana! É uma pena que a imagem não mostra todos os detalhes, que eram muito preciosos e bem acabados.

E no final de tudo tem a gente, loucas no backstage, loucas de cansada… (venci a vergonha alheia de mim mesma para publicar essas fotos, estou horrível em todas! )…

Dessa vez, só deu UFMG! E o povo que se prepare, pois isso é só o começo…